Coworking Odontológico: os diferentes tipos de contrato de locação

A forma de trabalho conhecida como coworking, na qual diversos profissionais da mesma área, ou até mesmo áreas diferentes dividem o espaço para exercer as suas atividades, já é bastante conhecido em diversas áreas profissionais, principalmente no marketing e na advocacia, vez que executam serviços de forma autônoma.

Na área odontológica não é diferente, esta forma de divisão de espaço vem se popularizando e ganhando muitos adeptos. O coworking odontológico é um local com salas individuais reservadas para cada cirurgião-dentista atender aos seus pacientes e realizar procedimentos. Ou seja, o profissional aluga o espaço pelo tempo que for mais conveniente e vantajoso para ele e para o locatário.

Há algumas semanas trouxemos em um dos nossos posts sobre a importância do contrato de aluguel, pois a opção por locar um consultório odontológico pode ser uma alternativa aos recém-formados na área que desejam ter sua primeira experiência profissional, podendo dividir o espaço com um colega mais experiente, havendo trocas. Mas também, porque não é uma tarefa simples e envolve diversos investimentos e obrigações. Assim como, os profissionais mais experientes e com anos de mercado decidem optar pela locação pensando nas oportunidades de negócios, ampliando o número de seus pacientes sem precisar abrir uma filial, bem como poder ter diferentes serviços em sua clínica.

E hoje, vamos abordar os tipos de coworking odontológico, que se diferenciam basicamente pelo tipo de aluguel e serviços que oferecem aos seus usuários. O dentista precisa considerar os prós e os contras de cada modalidade e quais os serviços ele oferece irá se encaixar melhor, para que o investimento valha a pena e não venha a ter prejuízos ao final do mês.

 

Aluguel mensal

Nesta opção o dentista paga pelo uso integral da sala, ou seja, a partir de um contrato firmado deverá pagar um valor x por mês, independente de quantos atendimentos serão feitos. Os profissionais que já possuem um grande número de clientes ou que preferem ter todos os horários disponíveis para seu uso, caso surjam atendimentos de última hora, por exemplo, se encaixam bem nesse tipo de coworking.

 

Aluguel por dias de uso

Neste tipo de contrato, o dentista aluga o espaço para um determinado dia e tem aquele tempo disponível para os seus atendimentos. Ideal para os profissionais que desejam concentrar seus atendimentos em um único dia, por trabalhar em outro lugar ou que ainda não possuem muitos clientes. Ressalva-se que neste modelo, suponhamos que você deseja atender todas as sextas-feiras das 8h às 18h, a partir da determinação desse período e independente do comparecimento dos seus pacientes, você pagará por um valor previamente acordado com o locador.

 

Aluguel por hora ou período

Modelo interessante para os dentistas que tem poucos atendimentos ou também  tempo reduzido para atender naquele determinado horário, pois neste formato de contrato o profissional paga o valor referente ao período/hora que ele irá utilizar a sala, podendo ser até um atendimento apenas. Assim como no aluguel por dias, o valor acordado deverá ser pago, havendo atendimento ou não, caso haja uma falta ou cancelamento do paciente.

 

Em relação ao vínculo entre o sublocatário e o consultório médico, neste ponto não existe qualquer vínculo empregatício. Dessa maneira, não é possível emitir nota fiscal por intermédio da clínica. O que os profissionais da saúde geralmente fazem é um recibo com o detalhamento de prestação de serviço que deve ser declarado no imposto de renda posteriormente.

A escolha pelo modelo de Coworking vai variar do momento em que o profissional se encontra, seu número de clientes e com a sua disponibilidade financeira. Mas em qualquer um dos contratos deverá estar bem definido o modelo escolhido e o que será compartilhado entre o locador e o locatário como, gastos com energia, água, internet, luz, entre outros. Por isso, é importante elaborar um contrato que estipule os interesses de ambos os lados de modo claro e objetivo.

Além disso, atente-se ao estado dos equipamentos e ferramentas médicas disponíveis na clínica, colocando em contrato sobre o uso de quais serão utilizados por você ou se usará suas próprias ferramentas.

Em geral, a sublocação de consultório é uma alternativa bastante válida que pode servir tanto para novos profissionais da área, ou para profissionais buscando se consolidar ainda mais no mercado. No entanto, deve ser analisado os pontos negativos, como dificuldade para reagendar consultas ou a personalidade do local. A sugestão é que, primeiramente, os dentistas deverão conhecer bem todos os pacotes e características de cada modelo, conhecer seus clientes e entender as necessidades de uma sala e seu modo de trabalho para que tenha uma escolha acertada.

Se você possui alguma dúvida sobre o assunto ou quer ter mais informações sobre esta modalidade de locação, entre em contato, nossa equipe de advogados especialistas está preparada para te ajudar.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp

Categorias

Tags mais Populares